Publicidade 1

Publicidade 1

publicidade 2

publicidade 2

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Jânio Mendes e a prestação de contas dos 19 mil reais à Justiça Eleitoral

Após ter seu nome listado como recebedor de R$ 19 mil em uma planilha de pagamentos encontrada durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão na casa de Luiz Carlos Bezerra durante a Operação Calicute, em que Sérgio Cabral foi preso, o Deputado Estadual Jânio Mendes disse à Folha dos Lagos (ver "folhadoslagos") que esse valor é referente a uma doação de campanha legal, feita em 2014, inclusive declarada à Justiça Eleitoral e que está à disposição da Justiça para prestar esclarecimento. 

Realmente, no site do TSE, em sua prestação de contas da campanha eleitoral de 2014, consta uma doação eleitoral de 19 mil reais. Ela não foi feita diretamente ao candidato, mas via Comitê Financeiro Nacional da campanha de Dilma Roussef. Mas o que mais chama a atenção é o fato desta doação ter sido a única recebida em dinheiro vivo ("estimada") do referido Comitê. Todas as outras três doações recebidas do Comitê Financeiro de Dilma, no valor de 100 mil reais cada, foram feitas por meio de cheques (ver abaixo). Por que ele recebeu estes recursos dessa forma e não por meio de "depósito em espécie", "cheque" ou "transferência eletrônica", outras três formas de recebimento de valores declaradas por ele na sua prestação de contas? Em tempos de Lava Jato não basta provar que não recebeu recursos por fora, via caixa dois de empresas. É preciso mostrar também que as doações feitas por dentro, via caixa um, têm origem lícita.   

Observem que a JBS doou 100 mil reais a Jânio via Comitê Financeiro Nacional de Dilma por meio de cheque. A JBS e a Vigor, que pertence à primeira, são citadas na representação que provocou a cassação da chapa Pezão-Dornelles pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Segundo o jornal O Dia (ver "odia"), em junho de 2014, as duas empresas ganharam do governo do estado um empréstimo por 30 anos de terreno em Barra do Piraí, no Sul Fluminense. Depois, a JBS doou R$ 6,6 milhões para o Comitê Financeiro Único do PMDB do Rio.

A JBS reiterou que todas as doações foram realizadas de forma legal, e que “é desleal a tentativa de quem (...) tenta associar doações políticas a investimentos produtivos que geram empregos e fomentam a economia.” A Vigor informou que o investimento fez parte de estratégia de expansão regional e que hoje, com 100 empregados, a fábrica apresenta crescimento de 50% ao ano.


Comitê Financeiro Nacional para Presidente da República  20.501.231/0001-96 CARIOCA CHRISTIANI HIELSEN  40.450.769/0001-26  19/09/14  126010700000RJ000045  100.000,00 Cheque  850118

Comitê Financeiro Nacional para Presidente da República  20.501.231/0001-96    02/10/14  126010700000RJ000054  19.000,00 Estimado 

Comitê Financeiro Nacional para Presidente da República  20.501.231/0001-96 JBS S/A  02.916.265/0001-60  02/10/14  126010700000RJ000049  100.000,00 Cheque  850195 

Comitê Financeiro Nacional para Presidente da República  20.501.231/0001-96 CONSTRUTORA QUEIROZ GAVÃO SA  33.412.792/0001-60  29/07/14  126010700000RJ000007  100.000,00 Cheque  850026

Veja a seguir toda prestação de contas:
Prestação de contas de Jânio Mendes, 2014, página 1, circundado a doação de 19 mil reais
Prestação de contas de Jânio Mendes, 2014, página 2
Prestação de contas de Jânio Mendes, 2014, página 3
Prestação de contas de Jânio Mendes, 2014, página 4
Prestação de contas de Jânio Mendes, 2014, página 5
Fonte: "tse"