Publicidade 1

Publicidade 1

publicidade 2

publicidade 2

quinta-feira, 2 de abril de 2015

"Ô Alair, pede pra sair"

Funcionários da Comsercaf protestam em Cabo Frio (Foto: Gustavo Garcia / G1)
Funcionários invadem prefeitura de Cabo Frio, RJ, após fim da Comsercaf

Grupo teme que benefícios sejam cortados e reclama de falta de diálogo.

Extinção foi anunciada pelo prefeito por conta da crise dos royalties.

Gustavo Garcia e Fernanda Soares


Funcionários da antiga Comsercaf, autarquia que era responsável pela limpeza pública em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio, invadiram a sede da prefeitura na manhã desta quarta-feira (1º) por conta do anúncio feito nesta terça (31) pelo prefeito Alair Correa sobre o fim da companhia. Segundo a Guarda Municipal, cerca de 100 pessoas participam do protesto, enquanto a liderança do ato afirma que 200 estão reunidos. Os funcionários são concursados, e, portanto, têm o emprego garantido. Eles temem a perda de benefícios e a redução de salários com o retorno ao funcionalismo público direto.

Os manifestantes percorreram a Avenida Teixeira e Souza, no Centro, com tambores e gritos como "ô Alair, pede para sair". Segundo o coletor Wagner César Almeida Pereira, de 32 anos, "a prefeitura quer nos descartar como se fôssemos lixo. Ninguém deu uma explicação de como ficarão as coisas a partir de agora", reclamou ele, que atua na função há 11 anos. O prefeito garantiu que nenhum deles vai perder o emprego, o que é garantido por lei. Os coletores querem esclarecimentos e exigem serem recebidos por Alair.

Cortes no funcionalismo público são anunciados em Cabo Frio

Segundo o grupo, o salário médio atual é de R$ 2.400 e poderá ser reduzido pela metade, passando para R$ 1.200. Atualmente os coletores recebem adicional de insalubridade, produtividade e penosidade, o que pode ser cortado. "Nós trabalhamos com lixo, mas não somos lixo. Somos trabalhadores e temos família", afirmam os manifestantes

Rodrigo de Santos Macedo, de 35 anos e há 15 na função de coletor, afirma que as famílias não podem ficar sem os direitos já conquistados. "Não podemos perder o plano de salário. Os companheiros que já passaram por esta transição, na época da Secaf, tiveram redução de salário", lembrou ele.

Os manifestantes receberam uma carta enviada pela prefeitura com o agendamento de uma reunião às 15h no Ministério Público nesta quarta-feira com representantes do movimento, da Comsercaf, do município e uma promotora de Justiça. A Guarda Municipal e a Polícia Militar acompanham o protesto sem a necessidade de intenvenção.

Entenda o caso

O prefeito Alair Correa anunciou, em entrevista coletiva concedida na manhã desta terça-feira (31), um pacote de medidas administrativas necessárias, segundo ele, por conta da queda na arrecação dos royalties do petróleo. Dentre as mudanças está a extinção da Comsercaf, que teve o contrato suspenso no mesmo dia do anúncio. Além do fim da autarquia, o prefeito informou que aproximadamente quatro mil funcionários públicos serão demitidos. O pacote inclui ainda redução de salários, reajuste da passagem pelo Cartão Dignidade e aumento do valor da diária no estacionamento rotativo para veículos com placas de fora da cidade.

Segundo Alair, no mesmo período do ano passado o município arrecadava aproximadamente R$ 17 milhões mensais com os royalties. Atualmente, Cabo Frio está arrecadando em torno de R$ 7 milhões, uma queda de mais de 50%.