Publicidade 1

Publicidade 1

publicidade 2

publicidade 2

domingo, 22 de dezembro de 2013

Os que se prestam a qualquer coisa


Foto do grupo "Vamos Salvar o Peró..." do Facebook


Tendo em vista o debate a respeito da construção do Club Med  no Peró republico a resposta de Cristina Pimentel  (jornal O Perú Molhado) ao artigo de Sandro Peixoto.

Adianto que o texto de Cristina Pimentel me representa.
O texto de Sandro Peixoto não me representa.

"Um dos fenômenos mais interessantes que ocorre com a leitura é a construção de imagens, de dentro para fora, ao contrário das artes visuais, cujas imagens estão diante de nossos olhos, e que também convidam o apreciador a outras viagens. Pois ao ler o artigo “Só a riqueza transforma”, publicado no último número do Jornal “O Perú Molhado”, a imagem que me veio foi a de quem atira pedras. E só atira pedras quem tem certezas demais e por serem tantas as certezas, são pedras desconectadas da História, portanto, de efeito catástrofe bem maior do que opiniões “erradas”.


Cabe esclarecer, antes, que Mônica Casarin a quem Sandro Peixoto, autor do texto, atribui “opiniões erradas” é Presidente da AMOCA – Associação de Moradores e Caseiros da Ferradura e que ela não está sozinha em seu posicionamento contra o empreendimento intitulado Club Med, nas Dunas do Peró. Com a Presidente da AMOCA, inúmeras entidades, pesquisadores e cientistas se colocam contra esse empreendimento, no local.

O título do artigo de Sandro Peixoto já é um engano, pois não é a riqueza que transforma, mas a educação é que é transformadora. Foi, através da educação, que a Coreia do Sul se transformou em um dos países mais ricos do mundo e, o mais importante, a prosperidade alcançou toda a nação. Ao final de seu artigo, o autor do texto atira Karl Marx. Pedrada terrível, pois, se não me falha a memória, foi esse filósofo que, entre outros, introduziu o conceito da “mais-valia”, que, grosso modo, pode ser entendido como lucro. Não existem registros, na História do Brasil, de que aqueles que detenham o capital tenham por prática dividir o lucro com seus empregados. Historicamente, o Brasil não superou a perversa concentração de renda, em especial, os empresários da construção civil, mestres em pagar pessimamente mal a um exército de pedreiros e empregados, tratando-os, ainda hoje, a semelhança de escravos. E, aí sim, Sandro Peixoto está correto: “somente a economia, o mercado, a grana, o crescimento econômico, a fartura são capazes”. Capazes de quê e para quem? Sempre para uma minoria, como nos mostra a História.

Se construções do tipo Club Med, nas Dunas do Peró, trouxessem o “desenvolvimento”, então, todos os problemas sociais de Tucuns estariam resolvidos, porque o Breezes ali se instalou. Nessa mesma esteira, todos os problemas sociais de Itaparica e de Angra estariam resolvidos, porque grandes resorts ali se instalaram. Estariam resolvidos os problemas de Fortaleza, de Brasília e até de Cabo Frio. O fato é que o próprio IBGE não nos dá trégua e esfrega em nossa cara os índices de exclusão social e de violência que atingem patamares dolorosos, em especial nas capitais. É a própria História que nos mostra para onde vão os pedreiros e suas famílias, esses que não têm acesso à grana, ao mercado, ao crescimento econômico: dirigem-se, em geral, para áreas ambientais, ocupando-as desordenadamente. A Ditadura acabou, mas as relações promíscuas entre governantes e empresários, especialmente os da construção civil, ah! Isso é um vício! O povo brasileiro, mesmo lutando e reclamando muito, não tem conseguido fazer valer a probidade, nessas relações.

Financiadores de campanhas, de jornais, sempre cobiçosos de um pedaço de patrimônio ambiental, como a Praia Azeda, por exemplo, ou gordas fatias de um negócio qualquer, são bem capazes, dia desses, de transformar pacifistas, como Mahtma Gandhi, Golda Meyeir, Martin Luter king, Nelson Mandela em verdadeiros bandidos, já que não pertenceram ao seleto mundo da economia, do mercado, da grana e do crescimento econômico, que é o que sustenta gente que se presta a qualquer coisa. Pouco importa que a economia, o mercado, a grana, o crescimento econômico, a cobiça é que tenham assassinado Chico Mendes. Quem sabe, ainda vejamos circular na imprensa que Chico Mendes era um grande proprietário de seringais, um grande corrupto, safado e sem-vergonha?   

E diante de tudo isso, nada mais me espantaria. O que seriam as Dunas? “Dunas são somente areia trazida pelos ventos”! – como faz circular os que se prestam a qualquer coisa".

Cristina Pimentel
Servidora pública e estadual.

Fonte: jornal O Peru Molhado, nº 1.173, de 20/12/2013

Comentários no Google+:

Denise Morand

comentou em uma postagem do Blogger.
Compartilhada publicamente  -  13:42
 
Muito bom Cristina! É ótimo ter esse dom de escrever porque além do desabafo, ainda se pode contribuir para a formação de uma opinião pública crítica e consciente. Parabéns!