Logo do blog

Logo do blog

publicidade5

publicidade5

domingo, 26 de março de 2017

Políticos visitam Cabral em Bangu 8

Entrada de Bangu 8, foto ODIA
O Deputado Federal Marco Antônio Cabral, filho do ex-governador Sérgio Cabral, visitou o pai fora de dias e horários permitidos. Outros políticos também estiveram em Bangu 8.
Marco Antonio esteve mais de 30 vezes com o pai. Vinte visitas foram feitas fora dos dias e horários permitidos. 
Relatório da secretaria de administração penitenciária do Rio, obtido pela Globo News, mostra que o ex-governador Sérgio Cabral está recebendo visitas de forma irregular no complexo de Bangu, Zona Oeste da cidade.
Segundo esse relatório, o filho de Sérgio Cabral, que é deputado federal, se aproveita de uma prerrogativa parlamentar para entrar no presídio a qualquer hora do dia. Em dezembro do ano passado, o Ministério Público já tinha alertado a justiça sobre essa prática.
 As visitas são permitidas apenas duas vezes por semana: às quartas e aos sábados, de nove da manhã às quatro da tarde.
Mas a lista a que a GloboNews teve acesso mostra que a regra não está valendo para o ex-governador. O levantamento registrou todas as visitas que Cabral recebeu entre os dias vinte e quatro de novembro e quatro de março deste ano. Ao todo, foram 70 visitas, quase metade feitas pelo filho, Marco Antonio Cabral.
Deputado federal pelo PMDB do Rio, Marco Antonio foi ao Complexo de Bangu 32 vezes. Em 23, ele usou a prerrogativa de parlamentar para visitar o pai. E, em 20, as visitas foram fora dos dias e horários permitidos.

De acordo com o regulamento da secretaria de administração penitenciária autoridades constituídas e sob as prerrogativas da lei podem fazer visitas, desde que seja no exercício da função pública. Ou seja: a trabalho, como parlamentar.
Outros políticos também usaram a prerrogativa parlamentar para visitar Cabral na cadeia. A deputada estadual Cidinha Campos (PDT), o então deputado e agora prefeito de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, Washington Reis (PMDB), o deputado estadual Paulo Melo (PMDB) e o presidente da Assembleia Legislativa do Rio, Jorge Picciani.

Visitas motivaram transferência para Curitiba

O excesso de visitas foi uma das irregularidades apontadas pelo promotor André Guilherme Freitas, em dezembro do ano passado. Com base em um relatório feito por ele, o juiz Marcelo Brêtas, responsável pelos processos da operação Lava Jato no Rio, determinou a transferência do ex-governador para Curitiba.
Sérgio Cabral passou uma semana na carceragem da polícia federal no Paraná, depois voltou para o Rio, após decisão do desembargador Abel Gomes, do Tribunal Federal da 2ª Região. Ele classificou que irregularidades na visitação não foram muito bem definidas e que não corresponderiam, a princípio, à falta grave à disciplina que justificassem a transferência do ex-governador para outro estado.
Depois da volta a Bangu 8, a romaria de políticos diminuiu drasticamente, menos no caso do filho deputado. Marco Antonio Cabral visitou o pai na cadeia 16 vezes usando a prerrogativa parlamentar – sendo 13 fora dos dias e horários regulares.

Outro lado

O deputado federal Marco Antônio Cabral afirmou à GloboNews que todas as visitas feitas ao pai na cadeia foram feitas legalmente e dentro das normas previstas.
O presidente da Alerj, Jorge Picciani, afirmou que fez uma única e rápida visita, em solidariedade ao ex-governador e que na época apresentou a documentação exigida, e cumpriu todos os procedimentos determinados por lei. Picciani disse ainda que em nenhum momento foi informado que poderia estar infringindo qualquer norma.
A deputada estadual Cidinha Campos disse que não vai se manifestar. O deputado estadual Paulo Melo citou a longa amizade e o sentimento de gratidão com o ex-governador, mas não fez referência às visitas fora dos dias e horários estabelecidos.
A produção entrou em contato também com o atual prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis, mas ele ainda não havia respondido até o momento da publicação desta reportagem.

Fonte: "g1"

Meu Comentário: 
O que a Deputada Estadual Cidinha Campos foi fazer em Bangu 8? O que leva uma deputada do PDT a visitar um ex-governador corrupto do PMDB na cadeia? Qual o teor da conversa? As visitas de Picciani, Paulo Melo e Washington Reis são compreensíveis, afinal são companheiros de longa data no PMDB. Por que apenas ela, Cidinha? Por que os outros seis deputados estaduais do PDT (Bebeto, Marta Rocha, Luiz Martins, Zaqueu Teixeira e Jânio Mendes) também não visitaram Cabral? 
Cabral fez muitas amizades políticas (prefeitos e vereadores) na Região dos Lagos e em Búzios durante seu reinado de mais de 10 anos no estado. Será que seus amigos de Búzios também irão visitá-lo em Bangu 8? Cabral ficará muito sentido se for esquecido por seus amigos daqui, assim como um ex-secretário ficou muito triste pelo fato de um ex-prefeito não tê-lo visitado no mesmo presídio.  
Comentários no Facebook:

Sonia Pimenta Deboche com as leis e com todos os outros presos e suas visitas. Mas como sempre parece que sempre haverá regalias para crimes de Colarinhos Brancos. 
E que seus comparsas de Búzios não deixem de visita_lo.