Publicidade 1

Publicidade 1

publicidade 2

publicidade 2

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Ainda a respeito dos custos da sessão solene da Câmara de Vereadores

Este ano, na gestão do Presidente Cacalho, a Câmara de Búzios vai pagar R$ 73.520,00 à Empresa STRONG SERVICOS E REALIZACOES EIRELI -ME PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORNAMENTAÇÃO, BUFFET E OUTROS, PARA A REALIZAÇÃO DA SESSÃO SOLENE, EM COMEMORAÇÃO AO 22º ANIVERSÁRIO DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DE ARMAÇÃO DOS BÚZIOS". 
Licitação: 005/2017
Processo: 108/2017
Empenho : 198/2017
Data: 02/10/2017


No ano passado, na gestão Henrique Gomes, foram gastos R$ 137.596,00 com a realização do evento comemorativo dos 21 anos de Búzios. 

BO 785, 10/11/2016
BO 727, 3/12/2015

Meu comentário: 

Cacalho vai gastar R$ 73.520,00 e Henrique gastou R$ 137.596,00. Enquanto a Câmara não uniformizar estes gastos não teremos termos de comparação. Cacalho diz que vai gastar com os serviços de "ornamentação, buffet e outros". O que são estes "outros"? Henrique também fala em gasto com buffet, mas lista uma série de outros gastos: "decoração, ambientalização, locação de equipamentos de som e iluminação, equipes de apoio, materiais de apoio e outros". 

Por outro lado, é possível compararmos os gastos de 2015 e 2016, ambos da gestão Henrique Gomes, porque os objetos são os mesmos. O que fez o preço subir tanto de um ano para o outro? De R$ 106.549,60 para R$ 137.596,00, um acréscimo de 29% em relação ao preço cobrado pela empresa 3J Eventos e Turismo Ltda

Por sinal, esta mesma empresa- 3J Eventos- cobrou apenas R$ 23.550,00 pelos serviços de sonorização, iluminação, ornamentação e recepção para sessão solene de 2013 na gestão Leandro. Como explicar tamanha diferença de preços? Os serviços prestados não foram os mesmos?   


BO 607, 31/10/2013 

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

O descaso com o meio ambiente é antigo na Região dos Lagos

Sem palavras.

A imagem, impressionante, fala por si.

Já construíram em cima das dunas em Tucuns.

Agora querem construir em cima das dunas do Peró.


Imagem feita por um drone mostra areia das dunas invadindo a RJ-140 (Foto: Ronaldo de Oliveira/Arquivo Pessoal)

domingo, 15 de outubro de 2017

Os tropeços de Cármen Lúcia em momentos decisivos

Presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, durante a sessão. Foto Orlando Brito

As instituições sempre foram instáveis no Brasil. De tropeço em tropeço, elas vem se moldando. Ao longo dessa tortuosa história, há protagonistas que cresceram ou encolheram em momentos decisivos. 

Evidente que sempre há riscos. Mas é justamente por aí que passa a régua.Foram encruzilhadas desse tamanho que tornaram Ulysses Guimarães maior. Ele nem sempre seguiu o próprio roteiro. Mas conseguiu improvisar e crescer nas adversidades.

Em seus embates, alguns em tempos sombrios, Ulysses se valia de seu talento de traduzir em frases implacáveis posturas éticas impecáveis. Assim se impôs como estadista. Assim ajudou a reconstruir as instituições e fazer avançar a democracia no Brasil.

A exemplo de Ulysses Guimarães, a ministra Cármen Lúcia tem vocalizado valores que ajudam a lavar a alma nacional diante desse pântano em que as elites políticas, econômicas e corporativas mergulharam.

Não há dúvida de que ela é bem intencionada.

Seu problema, e não é de hoje, é a dificuldade de reagir a pressões contra suas próprias convicções. Cármen Lúcia não gosta de brigas. Prefere ceder a enfrentar uma parada que não sabe aonde vai dar.

Seu primeiro posto de poder como ministra do STF foi a presidência do Tribunal Superior Eleitoral. Ali, ela soube de uma série de malfeitos que punham altos funcionários da Justiça e boa parte dos partidos em péssimos lençóis.

Resolveu pôr tudo a limpo. Sua equipe foi à luta, aprofundou as apurações, chegou a gente de alto escalão, apadrinhados por poderosos na Justiça. A reação foi forte, inclusive de colegas do Supremo.

Para frustração de quem foi para a linha de frente, com o aval dela, ela recuou. A apuração morreu aí.

Há outros casos que ela evitou confrontos. Por exemplo, na trapalhada de Marco Aurélio Mello ao afastar Renan Calheiros da presidência do Senado. Ou, então, ao abençoar a pedalada na Constituição, em uma parceria do próprio Renan com o ministro Ricardo Lewandowski, para manter os direitos políticos de Dilma Rousseff depois de seu impeachment.

Vexame agasalhado pelo STF.

Mas, na noite da quarta-feira (11), Cármen Lúcia teve a oportunidade de corrigir vacilos do passado e, como presidente do Supremo Tribunal Federal, reafirmar a independência do Judiciário. Era para ser um julgamento histórico — a primazia da lei, não da impunidade, nesses tempos de Lava Jato.

Mesmo assim, ela recuou mais uma vez. De maneira atrapalhada, claudicante, mal conseguiu se explicar e precisou da ajuda do decano Celso de Mello para fechar a sessão.

Deixou a impressão de que aceitou a intimidação da turma do outro lado da rua envolvida na Operação Lava Jato para livrar Aécio Neves, um dos seus, e abrir caminho para salvar a turma toda.

A biografia dela e a Justiça mereciam mais.



Funaro, Picciani e a ‘conexão suíça’

Em seu depoimento de 23 de agosto à PGR, Lúcio Funaro disse ainda ter recebido 5 milhões de francos suíços a pedido de Eduardo Cunha, para financiar a campanha do PMDB no Rio.
O doleiro disse ter sido informado pelo ex-presidente da Câmara de que o repasse fora acertado entre Jorge Picciani, presidente do PMDB no Estado, e Jacob Barata Filho, o “rei dos ônibus”.
Ele [Cunha] disse: ‘Esse dinheiro é do Jacob Barata. É um dinheiro que ele acertou com o Picciani de doação de campanha'”, declarou Funaro aos procuradores.
A ideia, sempre segundo o doleiro, era usar metade para a campanha de deputados federais e metade para a de deputados estaduais do PMDB do Rio.
Pela cotação da época, o dinheiro era equivalente a R$ 12 milhões, que Funaro diz ter recebido num banco suíço.

Fonte: "oantagonista"


Série de reportagens sobre uso de verba pública na Confederação de Basquete é premiada

O jornalista LÚCIO DE CASTRO, do site de jornalismo investigativo "agenciasportlight",
conquista Prêmio da Petrobras. 

Tudo começou com um pedido feito junto à Eletrobrás em 2015 com base na  Lei de Acesso à Informação (LAI) solicitando "as prestações de contas e relatórios da Confederação Brasileira de Basquete (CBB) enviados para a Eletrobrás dos anos de 2009 até 2013”.

No site "Agência Sportlight"
Lúcio conta:
"A montanha de documentos era assustadora. Intimidadora. Desanimadora. Mas era preciso encarar. Garimpar é preciso. O suor é sempre maior do que a inspiração, ao contrário do que se imagina quando se vê tudo pronto ali.
Foram meses de várias idas ao prédio da Eletrobras, no Centro do Rio. Tardes inteiras. Um dia lindo lá fora…
Na verdade, foi tanto tempo garimpando que era para ser publicada em um lugar e no meio do caminho tinha mudado…
Muitas vezes se pensa em desistir ao se destrinchar uma montanha dessas de papeis. Mas há um juramento no meio disso tudo, há a certeza de que esse ofício só existe e só pode existir enquanto fiscalizador de qualquer poder.
Tal certeza gerou uma série de oito reportagens: “A Farra do Basquete”, publicadas entre 2015/16 no UOL. (Muito virá pela frente na Agência Sportlight de Jornalismo Investigativo e isso nos alegra profundamente!)

Eram só papeis, uma montanha. Mas no meio deles existiam histórias. De malversação de verbas, de dinheiro público virando farra em Paris, comissões nababescas que não se sustentavam…

Jantar em restaurante na Torre Eiffel, foto agenciasportlight 

Coisas que até quem vem de longe se impressiona. R$ 15 milhões gastos em repasse para duas agências de marketing pelo mesmo contrato, pagos em diferentes momentos. Trinta e dois por cento (32%) gastos em comissões para agências abertas logo depois da assinatura do contrato…Presidente e mulher viajando de classe executiva para Paris e usando o cartão de crédito da confederação para pagar jantares na Torre Eiffel. Todas as despesas apresentadas ali no meio do bolo da prestação de contas pra Eletrobrás. Enquanto pagava vinhos caros em Paris com o dinheiro da Eletrobrás a mulher do presidente discursava nas redes sociais contra corruptos…Teve muito mais…

Falaremos mais delas e lembraremos um pouco alguns detalhes (para que ninguém esqueça. É tanto escândalo, CBV, CBB, COB, CBDA que as pessoas vão perdendo a conta. Mesmo).

Nesse momento, mais do que nunca, é importante relatar o processo disso tudo como está acima.

No exato momento em que muitos ignoram a essência do nosso ofício e acham que só esperando MPF, PF, etc se pode fazer algo, é preciso lembrar: muito se pode fazer. Quase tudo. Fontes públicas. Se isso valer como inspiração para um único estudante de jornalismo, já terá valido a pena.
A questão é vontade. E isso é uma decisão política, embora tantos tenham pavor da palavra. É querer.
Cumprir tais prerrogativas implica em investigar, apurar, fustigar, independente de quem seja o poder.
Viver apenas, novamente e sempre ressaltando, com as nobres exceções de sempre, de vazamentos e presentes no lugar do exercício do ofício, tem levado nosso jornalismo ao papel de irrelevância que ocupa hoje no cenário mundial. Salvo as nobres exceções de sempre.
E não estamos falando aqui da irrelevância do nosso jornalismo nos dias de hoje diante de Estados Unidos, Inglaterra, Espanha…As andanças mundo afora em congressos, palestras, debates mostram que nos tornamos irrelevantes ao nos confrontarmos com o que está se fazendo na Costa Rica, em El Salvador, no México…Somos a terceira, quarta, talvez quinta divisão do jornalismo mundial. Embora com muita pose.
Já vamos longe demais nesse papo que começou só pra dar conta da imensa alegria em ver reafirmado, não só pelo prêmio, que é muito, claro, mas pelo carinho, pelo “vamos em frente” de tantos, todos lidos e registrados. Voltaremos ao tema. Hoje é dia de comemorar.
Deixo aqui, com todo carinho, minhas palavras proferidas no palco do Muncipal ontem ao receber o prêmio. Obrigado a todos",

Lúcio de Castro


Discurso ao receber o Prêmio Petrobras de Jornalismo em 9 de outubro de 2017:
Não poderia ser mais significativo estar aqui hoje recebendo esse prêmio de jornalismo esportivo nesse momento, pelas notícias que todos tem acompanhado.

Mas até por isso creio ser fundamental uma brevíssima reflexão sobre nosso ofício.

A essa altura, imagino que ninguém mais tem qualquer dúvida: Havelanges, Teixeiras, Nuzmans e afins só foram possíveis pelas omissões nossas de cada dia.
Nesse momento, em que as trevas e a sombra do autoritarismo, da censura e do obscurantismo se avizinham e se põe sobre nossas cabeças, não poderia deixar tal reflexão apenas para o jornalismo esportivo.
Também não é possível jogar para baixo do tapete e agir como avestruz sem cumprir tais prerrogativas do jornalismo quando tenebrosas transações entregam a cada dia as riquezas de um país sem que isso tenha sido referendado pelo voto.
Queria também dedicar esse prêmio:
Queria dizer que hoje e sempre, Victorino Chermont, irmão que a vida me deu, está presente. É dele também essa honraria. Jornalista maior. Presente.
E sempre, aos meus. Minha família, aos que estão aqui. Todos.
Em especial a minha mãe, a meu pai. Que ao me ensinarem, em seus exemplos diários, um dos principais fundamentos e sentidos da vida, me ensinaram também que eles são a essência do jornalismo.
Fundamento de vida e de jornalismo que poderia estar resumido na frase de Guimarães Rosa sobre a vida: “O que ela quer da gente é coragem”.
A primeira coisa que farei ao sair daqui será dar um beijo e entregar esse prêmio ao meu pai.
Foi com ele, Marcos de Castro, primeiro autor de uma série de jornalismo investigativo sobre esporte no Brasil em 1963, “Futebol, do sonho à realidade”, em parceria com Dácio de Almeida, que me ensinou algo que sempre repete e oxalá me siga como sempre esteve e está com ele: “O jogo é deles, a luta é nossa”.
Muito obrigado.



sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Gastaram 2 bilhões, 441 milhões e 234 mil reais e não resolveram nenhum problema estrutural de Búzios

Búzios vista de cima, foto buzios.com.br

Nosso três prefeitos gastaram em 20 anos (1997-2017) R$ 2.441.234.000,00 (2 bilhões, quatrocentos e quarenta e um milhões e 234 mil reais) e não resolveram nenhum problema estrutural do município. A esse montante se somam mais 235,513 milhões de reais, receitas previstas para o ano de 2018. Examinando-se a LOA-2018 nada de fundamental será feito. 

-Não temos uma Zona Especial de Negócios ou um mini-distrito industrial não- poluente (Pólo de Informática ou Pólo de cinema) como alternativa à dependência das transferências intergovernamentais e dos royalties de petróleo, assim como forma de geração de emprego e renda. 
-Não temos um Hotel-Escola para formarmos a nossa principal mão de obra, em um município que é o quinto destino turístico internacional do Brasil. 
-Não criamos um Centro de Convenções/Pavilhão de Feiras e Eventos com capacidade para 1.000 pessoas, para assim atrair congressos e eventos de pequeno e médio portes. 
-Não temos uma Educação com a qualidade condizente com o sétimo município mais rico do Estado. Não construímos creches em todos os bairros de Búzios.
-Não temos uma Saúde que atenda satisfatoriamente sua população. Não construímos um canil municipal para recolhimento de animais abandonados de pequeno e médio porte.
-Não promovemos a regularização fundiária com emissão de título de propriedade em áreas de posse já ocupadas ou adquiridas com a finalidade de habitação unifamiliar. 
-Não resolvemos o déficit habitacional da cidade. Não criamos programa de casas populares para a população carente.
-Não resolvemos o problema do saneamento do município, que poderia muito bem ser resolvido com 10% desses 2,441 bilhões de reais. Não temos em operação uma usina de reciclagem de lixo. Não temos um Aterro Sanitário. Não implantamos a coleta seletiva do lixo em todo o município.
-Não criamos um entreposto pesqueiro que propiciasse melhores condições de trabalho aos pescadores buzianos.
-Não criamos um Mercado Municipal do Produtor Rural onde os agricultores familiares buzianos pudessem escoar sua produção. Não criamos um Cinturão Verde na cidade, incentivando os pequenos produtores rurais para o fornecimento ao comércio, à rede hoteleira e aos restaurantes.  
-Não resolvemos o problema da mobilidade urbana, com a licitação do transporte coletivo municipal para que uma linha de microônibus municipal interligasse  todos os bairros. Não construímos ciclovias em todo o municípios. Não estabelecemos a capacidade de carga turística do município.
-Não resolvemos o problema da segurança municipal, equipando adequadamente a nossa guarda municipal e não implantamos pólos de segurança e atendimento turístico com a construção de dois pórticos nas divisas com Cabo frio, com instalação de câmeras e implantação de uma central informatizada. 
 - Não tornamos Búzios inteira uma APA.
-Não criamos grandes parques municipais em Parque de José Gonçalves, Ferradurinha, Ferradura, Tartaruga, Praia do Canto, Brava, Ponta do Olho de Boi, Azeda e Azedinha e Lagoinha. Não criamos o parque Lagoa de Geribá e o Monumento Natural do Mangue de Pedra. Parque da Foca, Parque do Forno, Parque da Praia da Gorda e Pai Vitório, Parque da Boca da Barra e Poças.
-Não construímos um Ginásio Municipal Poliesportivo visando atrair campeonatos regionais, estaduais e nacionais em diversas modalidades esportivas.  
-Não implantamos o Plano de Cargos e Salários para todo o funcionalismo municipal.
-Não construímos uma Concha Acústica para apresentação de shows e peças de teatro. Não construímos um Museu e um Teatro.  

Receitas totais ano a ano: (em milhões de reais)


1º governo Mirinho (1997-200)

1997 -    9,314
1998 -  15,536
1999 -  22,371
2000 -  31,935
Total:  79,146

2º Governo Mirinho (2001-2004)
2001 - 42,052
2002 - 56,276
2003 - 74,379
2004 - 75,127
Total: 247,834

Governo Toninho
2005 -  89,302
2006 -106,114
2007 -109,510
2008 -130,574
Total: 435,500

3º Governo Mirinho
2009 -109,259
2010 -136,845
2011 -161,356
2012 -192,691
Total: 600,151

1º Governo André
2013 -211,088
2014 -233,559
2015 -194,512
2016 -218,629
Total: 857,788

2º Governo André
2017 -220,815
Total: 220,815

Total geral: 2.441.234.000,00

Se nenhum dos problemas fundamentais da cidade foi resolvido, o que foi feito então com essa dinheirama? 
-Aproximadamente 976 milhões de reais foram gastos com terceirizações, muitas delas desnecessárias e com preços superfaturados, para ajudar aos amigos e financiadores de campanhas eleitorais majoritárias e proporcionais.  
-Aproximadamente 549 milhões de reais foram gastos com a contratação ou nomeação em cargo em comissão de membros dos currais eleitorais dos prefeitos e vereadores, muitos deles desnecessários.

Comentários no Facebook:
Marcelo Moraes Só tivemos governos incompetentes.
A coisa que eles sabem fazer bem é distribuir empregos e contratos superfaturados para os "amigos".
É triste e o pior disso tudo é que o maior culpado é o próprio povo buziano que está sempre pedindo o seu empreguinho ou contratozinho. E a cidade que se f...
Eduardo Moulin Roubo geral todos os prefeitos são assassinos de pessoas com a saúde debilitada, de meio ambiente, de dignidade para povo e o pior deles dos sonhos dos Buzianos de um futuro melhor!
Gerenciar
Alexandre JP Santos e banheiro público da praça continua sendo a cara desse governo, que agora vai pra iniciativa "privada" pra ajudar os amigos
Gerenciar
Milton Da Silva Pinheiro Filho Gente alguns falam em incompetência.E,até à algum tempo tinha um pouco desta imprensão.No entanto,quando começamos a ver gente que puxava uma cachorra magra,sempre próximas do poder ostentando,E a cidade afundando,era inevitável não vermos a má fé,a de...Ver mais
Gerenciar
Eduardo Moulin A conta e simples para ser reeleito obs Nao levando em conta que o governo atual e ilegitimo não poderia nem ter se candidatado! Vc como prefeito contrata e da cargo comissionado para 3000 pessoas que tem voto, estes 3000 cada um traz um parente pronto esta eleito! só temos que lembrar que estes 3000 mais os terceirizados são os outros 22.000 cidadãos que paga com a falta de saúde , educação, segurança etc...
Gerenciar
Jorge Ramos NEM HUM DESLES TIVERAM COMPROMISSO COM O POVO BUZIANO APENAS COM O SEU EGO....
Gerenciar
Miguel Antonioli Apenas amadorismo administrativo somado à vontade de enriquecer rápido.
Gerenciar
Maria Elena Olivares Amadorismo ja e muita coisa para eles, incompetentes declarados
Gerenciar
Heve Barros Q reportagem maravilhosa! Com toda a dor ou ira q nos cause. Parabéns pela matéria 👏🏼👏🏾