Publicidade 1

Publicidade 1

publicidade 2

publicidade 2

sábado, 28 de novembro de 2015

PM e advogado têm prisão decretada em caso de atropelamento em Búzios

NOTÍCIA NO G1

Para juiz Marcelo Villas, há provas de que eles fraudaram provas do crime.

Acidente deixou um morto e cinco feridos no último domingo (22).


Um policial militar do 25º BPM e um advogado tiveram mandado de prisão preventiva decretados por fraude processual no caso de atropelamento que deixou um morto e cinco feridos no último domingo (22) em Armação dos Búzios, na Região dos Lagos do Rio. Eles teriam interferido na cena do crime e na possível prisão em flagrante do motorista do carro envolvido no acidente, que teve a prisão decretada na terça-feira (24).

A decisão foi tomada com base em uma denúncia do Ministério Público e expedida pelo Juiz Marcelo Alberto Villas, da 2ª Vara de Búzios, na quinta-feira (26), e divulgada à imprensa na tarde desta sexta-feira (27). Até a publicação desta notícia agentes da Polícia Militar estavam em diligências em busca dos suspeitos, que ainda não haviam sido presos.

De acordo com o juiz, sobre o policial e o advogado "há indícios que direcionaram suas condutas a fim de fraudar as provas que eventualmente pudessem ser colhidas para a instrução criminal".

A denúncia do MP apontou que o policial supostamente envolvido era amigo do motorista preso. O PM, segundo a denúncia, retirou todos os três ocupantes do veículo atropelador da cena do acidente, sob a argumentação de que os conduziria a um hospital, mesmo após o grupo ter recusado atendimento no local.

De acordo com o juiz, o policial "retirou o denunciado da cena do crime, conduzindo-o a pretexto de levá-lo ao hospital para que não fosse preso em flagrante". A decisão do Juiz também aponta o horário em que o motorista se apresentou para o exame de alcoolemia, cerca de nove horas após o acidente, quando não havia mais indícios de embriaguez.
Para o MP, o policial, amigo do motorista, "de modo algum deveria ter se envolvido com ocorrência de guarnição alheia e de serviço". A declaração do Ministério público também classificou os fatos como "lamentáveis".

De acordo com a decisão do juiz Marcelo Villas, o advogado do motorista, que teve prisão domiciliar decretada por suspeita de também ter interferido na cena do crime, "terá autorização apenas durante a custodia cautela domiciliar para comparecer às audiências no qual tenha sido nomeado".


G1 entrou em contato com o comandante do 25º BPM, tenente-coronel Ruy França, que informou que guarnições estão em busca dos suspeitos, mas não quis se pronunciar sobre o suposto envolvimento do PM no caso do atropelamento.


NOTÍCIA NO SITE DO TJ-RJ:

O juiz Marcelo Alberto Chaves Villas, da 2ª Vara Criminal de Armação dos Búzios, na Região dos Lagos, decretou nesta sexta-feira, dia 27, a prisão preventiva do policial militar Syllas Pereira Cabral e do advogado Alberto Pessanha do Espírito Santo, além de manter a prisão de Celso Hildebrando Cassiano do Carmo. Celso é acusado de atropelar e matar o jovem Henrique Silva dos Santos e ferir quatro pessoas que estavam em um ponto de ônibus.
Entenda mais sobre o caso aqui
O acidente aconteceu na rodovia RJ-102, no bairro Marina, em Búzios, no último dia 23. Segundo os autos processuais, o motorista estaria embriagado no momento do acidente. Já o PM e o advogado foram indiciados por fraude de provas, ao serem acusados de persuadir os agentes para que pudessem retirar Celso da cena do crime. O magistrado determinou que Alberto cumpra prisão domiciliar.
“Conforme indiciado, ficou demonstrado nos autos e narrado no corpo da denúncia, o segundo denunciado Syllas Pereira Cabral e o terceiro denunciado Alberto Pessanha do Espírito Santo, respectivamente, policial militar licenciado e advogado, direcionaram suas condutas com o fim de fraudar as provas que eventualmente pudessem ser colhidas para instrução criminal”, destacou o juiz Marcelo Alberto Chaves Villas.
O PM Syllas Pereira Cabral, licenciado do 25° BPM, ficará custodiado no novo Batalhão Especial Prisional da PMERJ, em Niterói. Durante a prisão domiciliar, o advogado terá autorização apenas para comparecer às audiências nas quais tenha procuração para atuar.

Comentários no Facebook:


Comments

Flavio Neves Até q enfim temos um juiz de verdade em Búzios. Parabéns DR. Marcelo!!!!