Publicidade 1

Publicidade 1

publicidade 2

publicidade 2

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Transporte coletivo em Búzios

Van da CooperBúzios, foto de Luíza Bareza 
Ontem (20/10) saí de casa na Marina por volta das 14:00 horas para um compromisso às 15:00 horas no Shopping 5.000, em Manguinhos. Como na Avenida das Angélicas -avenida principal, paralela ao Canal- só passava van lotada, me dirigi para a Avenida JBRDantas- trecho próximo ao antigo galpão da Rural- para ver se conseguia encontrar uma com vaga disponível. Até as 15:00 horas, horário do meu compromisso, passaram 10 vans, todas completamente lotadas, algumas, inclusive, com passageiros em pé, o que não é permitido. Pude registrar também que algumas vans com letreiro Vila Verde trafegavam por ali, quando deveriam passar por dentro do bairro da Marina. 

Parece que a Cooperativa CooperBúzios faz o que quer em Búzios. Não sei se a outra, a CooperGeribá, também goza do mesmo privilégio de não ser punida pela Prefeitura. Mas a ausência completa de fiscalização por parte da Secretaria Municipal de Ordem Pública, através de seu Departamento de Transporte que, conta, inclusive, com fiscais concursados recentemente admitidos, provoca atrasos e gera situações irritantes e constrangedoras para os usuários da COOPERBÚZIOS. À noite, é comum vermos motoristas que saem do Centro com poucos passageiros, "murriarem" vagarosamente a 10/20 km/h de ponto em ponto, procurando lotar seus veículos, para aí sim imprimir uma velocidade normal aos mesmos. Cheguei  a gravar um motorista trocando informações ao telefone com dois outros que estavam à sua frente para saber se eles já tinham conseguido lotar seus carros. Dependendo da resposta, mudava a velocidade da van. 

Mesmo antes da licitação do transporte público- que já passou da hora de ser feita- é possível que a Prefeitura organize desde já o serviço prestado. Ajudaria muito se fossem colocados fiscais nos pontos de partida e de chegada das vans, para controlar o horário de cada uma delas. É a Prefeitura que deve determinar os horários de partida e de chegada de cada van, e não a própria cooperativa, assim como estabelecer o intervalo entre cada uma delas. Em pontos estratégicos do trajeto outros fiscais verificariam se alguma irregularidade estaria ocorrendo, como passageiros sendo transportados em pé, vans com som alto, etc.

Nesse mesmo dia em que perdi o compromisso das 15:00 horas, uma pessoa que estava se dirigindo para o trabalho (vigia de pousada) na Ferradurinha, preocupava-se com a bronca que poderia receber do seu patrão. Revoltado disse: "o povo pediu a cooperativa porque a Salineira prestava um mau serviço, agora só falta o povo pedir o fim da cooperativa e a volta da exclusividade da Salineira".

Observação: o que fazem os fiscais de transporte concursados admitidos neste governo? Por que não estão nas ruas?