Publicidade 1

Publicidade 1

publicidade 2

publicidade 2

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Para o governo a Saúde de Búzios está uma maravilha 2

Subsecretário de Saúde de Búzios  Leandro Pereira depõe na Câmara de Vereadores, sessão do dia 16/09, foto 2

Em seu depoimento na Câmara de Vereadores o subsecretário de Saúde Leandro Pereira afirmou que 72% dos moradores de Búzios são atendidos nos Módulos Médicos de Família. A informação não é verdadeira.  O número foi inflado dividindo-se o número de famílias cadastradas (6.432) nos PSFs, em julho de 2014, pelo número total de famílias (8.986) do Censo de 2010. Essa divisão (6.432/8986) tem como resultado 71,57%, os 72% do subsecretário.

Acontece que em 2014 a população de Búzios já não era mais de 27.560 habitantes (censo de 2010). Foi estimada em 30.439 habitantes. Mantida a proporção habitante/domicílio anterior, devemos estar hoje com um total de 9.914 famílias, superando em quase mil famílias o número de famílias de 2010. Neste novo quadro,  o índice de cobertura da Estratégia de Saúde de Família cairia para 64,87% (6.423/9.914).

A diferença (71,57% - 64,87%) pode não parecer nada, mas influi na quantidade de recursos que o governo federal repassa para Búzios. Também revela a realidade da população de Manguinhos-Geribá não atendida como deveria ser na Atenção Básica, correspondente à 35,13% da população de Búzios.

O recadastramento apontado como solução para todos os males da Saúde de Búzios é o terceiro feito no município. O primeiro foi realizado em 2006. Argumentava-se que a Policlínica tinha um prontuário de 24 mil famílias, o que apontava atendimento para cerca de 70 mil pessoas, enquanto o município possuía aproximadamente 25 mil moradores (Oto Vieira, administrador da Policlínica, JPH, 28/10/2006). Em 2009 outro recadastramento foi feito. Justificava-se o novo recadastramento porque o município estava atendendo de 6 a 7 mil pessoas por mês na Policlínica e segundo a secretária adjunta, Drª Luzia Andrade, com base em dados do Ministério da Saúde, um município com 27 mil habitantes, deveria realizar de 2.500 a 3.000 atendimentos médicos mês na Policlínica. Búzios estava prestando atendimento como se tivesse de 79 a 110 mil habitantes! (Jornal O Pescador, 27/04/2009).   

O problema fundamental da Saúde de Búzios não é esse. A grande questão é que se gasta muito e mal e/ou muito mal. Isso sem se falar em possíveis mal feitos como os apurados pela CPI do BO. É o município da Região dos Lagos que mais gasta/habitante. Gastamos em 2013 R$ 1.790,47/habitante em Saúde. O município que mais gasta depois de nós é Rio das Ostras com R$ 1.191,58/habitante. Cabo Frio é o terceiro, com R$ 917,56. Acontece que somos o que mais gasta com terceirizações na área da Saúde. Muitas delas desnecessárias e caras. Em 2013 dispendemos quase um quarto  (23,14%) de todos os nossos recursos da Saúde com “serviços de terceiros-pessoa jurídica”. Isso significa quase 13 milhões de um orçamento total de 52 milhões de reais.  Cabo Frio, gastou apenas 11,99%. com terceirizações.

Fonte: