Publicidade 1

Publicidade 1

publicidade 2

publicidade 2

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Doutor, esqueceu a receita?

Foto IG

Durante a campanha eleitoral, o atual Prefeito de Búzios, por ser médico, era apresentado como aquele que tinha a receita para curar Búzios de todos os seus males. Em um município onde a Saúde era considerada como o principal problema, sua receita criou expectativas como se fosse possível, com a utilização dela,  acontecer a redenção do povo de Búzios.   Passados oito meses de governo, não se precisa de muita acuidade visual para verificar  que a promessa  de criação de “uma nova forma de governar” (página 1 do Plano de açoverno) não se realizou. O prefeito doutor iguala-se, sem tirar nem por, aos dois últimos prefeitos que prometeram mudanças no palanque mas que, ao chegarem ao governo, recorreram  aos mesmos métodos usados pelos prefeitos anteriores e incorporaram outros  igualmente condenáveis. Neste e nos governos anteriores,  os Boletins Oficiais sumiram no início do governo, justamente quando são realizadas as principais licitações. Muitas delas com suspeitas de terem sido direcionadas para amigos e financiadores de campanha. O patrimonialismo permanece. E com muita força. 

Neste e nos governos anteriores, nossos mandatários governaram para uma minoria, não resolvendo nenhum dos problemas estruturais da cidade, aqueles que afligem a uma massa enorme de moradores. A Saúde, mesmo com o doutor, continua sendo o principal problema da cidade. Questão de vida ou morte. Mais morte que vida. A educação já mostra indícios que não vai conseguir subir muitos degraus no IDEB, porque parece faltar algo fundamental na sua gestão: a democracia. Educação sem democracia é uma contradição em si. A mobilidade urbana vai sendo espremida por engarrafamentos na baixa estação, sem que o governo mexa uma palha pra mudar o quadro. As cooperativas de vans e a Salineira fazem o que querem  na cidade. Ninguém fiscaliza. Ciclovias, nem pensar. Faltam recursos. Regularização fundiária, idem. O problema do esgoto depende da passagem do chapéu nos governos estadual e federal, porque recursos próprios não se têm. 

Neste e nos governos anteriores, nenhum recurso público é aplicado na geração de trabalho e renda. Prometem-se sempre a construção de um Hotel-Escola, Entreposto Pesqueiro e Mercado Municipal do Produtor Rural, mas nada se cumpre. Deixa-se de construir um Hotel-Escola para a maior categoria profissional de Búzios afim de sustentar os muquiranas da política local, aqueles que nunca trabalharam na vida, profissionais da política. Incapazes de ganhar mil reais no mercado de trabalho percebem, alguns, quase cinco mil reais para dar sustentação aos Mirinhos e Toninhos da vida. Agora, aos Andrés da vida.

Não se têm recursos,  porque este governo, como os governos anteriores,  sustenta uma clientela de parentes, amigos e cabos eleitorais que gera um inchaço na máquina pública que a torna mastodôntica. Tornando-se pouco ágil, não atende adequadamente os moradores e ainda consome quase todos os recursos que poderiam ser utilizados em investimentos para resolver aqueles problemas estruturais da cidade citados acima. Mirinho e Toninho, historicamente só dispunham de 7% de capital de investimento porque consumiam mais de 50% com a folha de pagamento e 43% com a manutenção da máquina pública.  André, "com a mesma forma de governar", dispõe dos mesmos míseros 7%. Como os prefeitos anteriores, acredita que sustentando o mastodonte vai  se reeleger em 2016. Ledo engano.

Mirinho governou dessa forma e se deu mal. Toninho, também. Hoje, ambos são ex-prefeitos. Tudo indica que, se o prefeito doutor não  aviar a tempo a receita prometida na campanha eleitoral, ele também se tornará mais um ex-prefeito nas próximas eleições. 

É preciso saber entender o significado do movimento político-eleitoral do povo de Búzios. Há doze anos ele vem fazendo trocando governos para ver se consegue eleger um prefeito que corresponda às suas expectativas. Aquele que traga melhoras em suas condições de vida. Melhoras na Saúde, Educação, Trabalho e Renda, Mobilidade Urbana, Saneamento, etc. Votou em Toninho em 2004 porque queria mudança, uma outra forma/conteúdo de governo, diferente do de Mirinho. Como o governo Toninho não mudou nada, tentou nova mudança. Mas com medo de apostar muito alto, trouxe de volta ao poder o conhecido Mirinho. Como o governo Mirinho também não mudou nada, sendo um desastre igual ou pior do que o governo Toninho, o povo resolveu apostar alto no cavalo paraguaio atual. 

Doutor, ou o senhor avia a receita da campanha eleitoral ou terás o mesmo destino dos inhos que nos desgovernaram, tornando-se mais um ex-prefeito  em 2016, se conseguires chegar até lá. Acredito que eles nunca mais se reelegerão em Búzios, assim como acredito que o povo de Búzios continuará corajosamente apostando na mudança. Votar é como nadar, só se aprende a votar, votando.

Comentários no Facebook:

  • Miguel Antonioli Uma pergunta desde a minha ignorancia absoluta sobre tratamentos medicinais: o remédio, seja lá qual for, faz efeito imediatamente numa doença crônica de 16 anos de convalescença? Acho que tem casos graves onde só a amputação total do membro at...Ver mais
    há 12 horas · Curtir · 2
  • Luiz Carlos Gomes Podem demorar um pouco pra fazer efeito. Mas pelo começo do tratamento vê-se que não vai dar em nada. Vai apenas agravar ainda mais a doença. Coitada de Búzios.
  • Miguel Antonioli Ainda acho que uma doença cronica e antiga, como a a velha conhecida, precisa de um tratamento holístico, sendo atacada em vários frentes, muito mais, quando velhos sintomas ainda se manifestam a cada dia mais virulentamente . Eu como neto de um...Ver mais
    há 11 horas · Editado · Curtir · 1

    • Patricia Pardo Se for homeopático demora mais.

    • Edson Ramos Miguel Antonioli, tenho visto as suas defesas ao atual desgoverno de Búzios, gosto de você, mas não posso deixar de fazer essa pergunta, você tem procuração do Doutor André? óbvio que as suas defesas são muito boas, mas condizem mais pra um advogado, daqueles que defendem estupradores, assassinos e etc. similar ao atual desgoverno do doutor.

      • Miguel Antonioli Amigo Edson Ramos, não defendo o que você chama de desgoverno, defendo sim o governo que foi eleito pela maioria da população pelo sistema de voto direto. Não tenho procuração do prefeito, nem a teria. Acho que desde a emancipação não tivemos nenhum governo sério, honesto e respeitador, seja no âmbito executivo, nem no legislativo (não coloco o judiciário, pois esse não é eleito pelo eleitor). A ganância desmedida e o enriquecimento explícito dos "representantes do povo" (só Deus sabe como Fizeram) nos 16 anos que a cidade possui, chegam a ser ofensivos. Após 16 anos da emancipação, a cidade, que deveria ser um exemplo de turismo, saúde, educação, boa educação e honestidade, tem demonstrado o contrário, lamentavelmente. Eu, apenas aguardo e boto fé, neste governo, como, lamentavelmente coloquei em todos os governos que já tivemos. Sou do tipo que dá tempo ao tempo.

    • Miguel Antonioli É difícil andar de bicicleta quando tem muita gente colocando cabo de vassoura nas rodas.

    • Edson Ramos Não coloco cabo de vassouras nas rodas de nenhum Governo, apenas sou uma pessoa, um cidadão consciente dos meus direitos, assim como reza a carta magna do nosso país: todo o poder emana do povo e será exercido através dos seus representantes. não quero mais uma vez ser surpreendido, por mais um estelionato eleitoral.


Maria Elena Olivares tem cem pessoas na fila do ultasom, eu sou uma delas

Zilma Cabral Diagnóstico completo da política buziana é mesmo lamentável. Luiz dá nojo e é vergonhoso!!! Mas infelizmente é real.